Museu da Computação e Informática - MCI
www.mci.org.br

CP 200
CP 200 Fabricante: Prológica Ind. e Com. de Microcomputadores Ltda
País: Brasil
Linha: Sinclair
Compatibilidade: ZX-81
Ano de lançamento: Out/1982
Processador: Z80 A, de 8 bits
Clock: 3,25 MHz
Memória RAM: 16Kb
Memória ROM: 8Kb (Sist. Operacional e interpretador BASIC)
Teclado: semelhante ao das calculadoras ou chiclete, 43 teclas
Tela: 24 linhas x 32 colunas
Modo gráfico: 44 linhas por 64 colunas
Sistema operacional: P1
Modelos: CP 200, CP 200S

O CP200 era um microcomputador para iniciantes, ideal para as primeiras lições de computação e para recreação.

O teclado e a unidade central eram montadas em um gabinete de plástico cinza-escuro. Todos os componentes eletrônicos (CPU, memórias, interfaces de entrada e saída, relógio e fonte) estão montados em uma placa de circuito impresso, localizada em seu interior.

A memória permanente é do tipo EPROM, com dois circuitos tipo 2732, de 4 Kbytes cada. Neles estão gravados o sistema operacional e o interpretador BASIC residente, a memória RAM tinha 16 Kbytes, onde eram guardados os programas e os dados do usuário.

Na parte lateral do console existe uma ranhura, que dá acesso a um conector plano de 50 pinos, com todos os sinais de entrada e saída, controle de endereçamento disponíveis no barramento padrão do Z80A. Pode ser utilizado para adição de expansões e outros periféricos, como impressora. Na parte de trás do console estão o interruptor de força (a fonte de alimentação é construída dentro do gabinete), o fusível principal, a saída para vídeo, a entrada para joystick e uma entrada (MIC) e saída (EAR) para gravador.

O interpretador BASIC era bastante completo, tendo 36 instruções e comandos, 21 funções matemáticas e de manipulação de strings, 14 operações matemáticas e lógicas. Ao escolher o BASIC para o CP 200, a Prológica levou em consideração a popularidade alcançada pelo NE-Z8000 e fez com que a linguagem fosse compatível com este micro, assim todos os programas seriam compatíveis com o CP 200, entretanto existiam algumas diferenças que faziam o software do CP 200 superior ao NE-Z8000.

As operações numéricas são todas realizadas em precisão simples (sete dígitos significativos), o que limita seu uso em cálculos de engenharia, estatística e finanças.

As áreas típicas para o CP 200 são: educação, recreação, aplicaçães domésticas, financeiras e administrativas leves.


TECLADO
O teclado é do tipo mecânico simplificado chamado "chiclete": teclas retangulares pequenas, de contatos de borracha condutora. O total de 43 teclas inclui - duas de cor vermelha - que, acionadas simultaneamente, provocam um RESET na máquina (reinicialização).

Cada tecla comanda até cinco funções, conforme o SHIFT seja pressionado ou de acordo com a situação de entrada de dados criada pelo software básico. Cada vez que o software operacional detecta pressão em uma tecla, soa o bip interno, que não podia ser desligado.

O teclado, em seu conjunto, dá acesso a cerca de 160 funções diferentes. Os comandos e funções em BASIC não precisam ser digitados por extenso: cada um deles está atribuído a uma tecla que, pressionada em presença do cursor marcado [K] na tela, insere uma palavra-chave completa em BASIC.


VÍDEO
A saída para vídeo já é modulada em RF, de modo a possibilitar sua conexão direta à entrada de antena de VHF de um televisor normal, sintonizado no canal 2 ou 3. A imagem gerada pelo CP200 normalmente aparece em caracteres claros sobre fundo escuro, ao contrário do que acontecia com os outros modelos nacionais da linha ZX 81. Uma pequena modificação interna, entretanto, permite inverter esse modo de exibição. O formato do vídeo é de 24 linhas de 32 colunas, apenas com caracteres maiúsculos. Entretanto, um outro modo gráfico é disponível através dos comandos PLOT e UNPLOT, colocando ou retirando pixel numa tela de formato 44x64.

A linha inferior da tela normalmente é reservada para exibir os caracteres que estão sendo digitados ou para mensagens de advertência e de erro do interpretador.

A tela possui 24 linhas, cada uma comportando até 32 caracteres, e é dividida em duas partes: a parte superior, compreendendo as 22 primeiras linhas, e a parte inferior, compreendendo as duas últimas linhas. A parte superior é reservada tanto para a exibição das listagens como para a saída dos programas, enquanto que a parte inferior é usada para introduzir linhas imediatas, linhas de programa e dados, além de apresentar os códigos de erro.


PERIFÉRICOS
O único tipo de memória auxiliar é um gravador cassete comum, que é conectado ao computador através de dois cabos ligados à entrada para microfone (MIC) e a saída para fone de ouvido (EAR ou MON). Não hà provisão para controle automático do motor, através do conector REMote. Os primeiros modelos possuiam interface de leitura/gravação apenas para 500 bauds. Modelos mais recentes podiam alterar essa velocidade para 1500 bauds, através de programa. O BASIC do CP 200 não permite a gravação separada de programas e dados; por isso era de utilidade limitada.

CP 200 O único periférico disponível através da Prológica era um joystick do tipo Atari, que era ligado em paralelo com o teclado. Através do barramento de entrada e saída, entretanto, podia ser conectados inúmeros outros periféricos, por interfaces disponíveis em fornecedores independentes.

 

 

 


PROPAGANDA
Propaganda do CP 200
Revista
Nova Eletrônica
Mar/1983

Atualizado: 30/Nov/2001
Voltar    Início